É a Economia, Estúpido!, Destaque

É A ECONOMIA, ESTÚPIDO! – Optimistas vs. Pessimistas: Nem tanto ao mar nem tanto enterra

cartões-economia POR PEDRO BILTRE-FARFALHO/TCC -Acabado o Mundial FIFA, e com a Espanha a ganhá-lo tão justamente quanto os três milhões e trocos que o António Mexia ganha por ano, volta o nosso país à dura realidade. A realidade da crise, da recessão, dos economistas que conseguem fazer previsões menos credíveis que a Maya. Mas aí a caríssima taróloga tem vantagem, já que as mamas empertigadas servem de antenas receptoras para apanhar o retrógrado de Mercúrio, a ascensão de Vénus e algumas frequências de rádio amador.

Posto isto penso chegada a altura de agitar as águas, criar celeuma, armar uma tourada. E Deus sabe o que eu gosto de participar numa tourada, embora não seja totalmente agradável quando o boi está a entrar em casa e eu tenho um ferro curto espetado na sua mulher. Servirá assim o resto desta crónica para insultar, rebaixar, humilhar e apertar os mamilos com uma prensa hidráulica aos prezados colegas economistas que conseguem tempo televisivo para debitar disparates.

Ao menos a Maya não só domina o taralho como faz previsões de acordo com os nossos desejos. Tipo o governo, vá.

Os caros leitores já repararam que existem duas vertentes ao comentário económico: os optimistas e os pessimistas. Não falarei do senhor com nome de filósofo por este apenas se enquadrar na categoria dos quixotistas que julgam puxar sozinhos pelas energias do país. Na minha opinião era enfiar-lhe uma trifásica no cu e deixá-lo produzir megawatts sozinho.

Anyhoo, na banda dos optimistas temos todas aquelas personalidades que entendem tanto de economia quanto a mãe do Cristiano Ronaldo domina o conceito de moda. Aqui incluo todos os membros do governo, o arrumador de carros da minha rua nos dias em que não está a fugir de rinocerontes cor-de-rosa e aquelas pessoas que ainda têm esperança de ver o Miguel Relvas a fazer política.

Mas é na facção dos pessimistas que encontramos toda uma míriade de enterras, divididos em duas facções. Os que acham que tudo está mal porque não conseguem ver um palmo à frente, é o caso do João Duque sem óculos, João César das Neves sem terço e Miguel Beleza com uma aluna na primeira fila daquelas que não usa roupa interior e que se deixe esbofetear com o pénis enrolado numa nota de quinhentos euros.

E os que acham que está tudo mal porque no tempo deles é que era. Aqui incluo ambas as narinas de Medina Carreira e o Luís Mira Amaral, mas só quando pronuncia vogais. Incluo a Dona Leite e o Ernâni Lopes, embora tenha todo o respeito por sobreviventes do terramoto de 1755. E incluo também o Miguel Frasquilho, que embora seja um jovem, as suas ideias económicas têm desconto nos transportes públicos. É o país que temos, pelo menos enquanto a Telefónica não compra isto.

É a Economia, Sr. Albino do talho que mantém a porta aberta apesar de apenas vender alcatra de cão vadio e lombinhos de contraplacado.

Standard

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s